Rinosseptoplastia

Cirurgia estética do nariz com abordagem do septo nasal, seja para corrigir problema funcional, reposicionamento estrutural ou coleta de enxertos.

rinoplastia

Popularmente conhecida como a cirurgia do nariz, a rinoplastia pode ser estética, funcional quando irá melhorar a condição física do paciente para que ele tenha melhor qualidade de vida ou as duas opções ao mesmo tempo.

Esteticamente, a rinoplastia melhora a aparência e proporção e tamanho do nariz (largura, perfil, ponta, narinas, assimetria e desvio) e traz mais harmonia para o rosto, aumentando a autoestima do paciente.

Se for funcional, a rinoplastia pode estar associada à correção do desvio de septo (rinosseptoplastia), que melhora a respiração por meio do ajuste da estrutura e alinhamento nasal. Se for realizada para retirada da carne esponjosa, é feita uma turbinectomia.

Existem duas técnicas para realização da rinoplastia: exorrinoplastia, quando a cirurgia é aberta, ou endonasal, quando o procedimento é fechado. Na técnica aberta é feita uma pequena incisão na base do nariz, entre as narinas. Na fechada, há incisões apenas dentro das narinas.

As rinoplastias geralmente estão relacionadas à diminuição do tamanho do nariz. Neste caso, é feita a retirada de partes da cartilagem, raspagem e lixamento do osso. Mas há procura também para aumentá-lo. Quando esta é a finalidade, é feito enxerto de cartilagem, implante de próteses e preenchimento local.

Atualmente, existem softwares em 3D que possibilitam ao paciente – por meio de uma foto – ter uma ideia de como ficará a cirurgia. A projeção do programa é aproximada, portanto, não pode se esperar exatamente o mesmo resultado.

 

A cirurgia é contraindicada a pessoas que tenham doenças em fase aguda, mulheres em período de amamentação ou quem usa medicamentos anticoagulantes.

 

A rinoplastia é uma cirurgia como qualquer outra, portanto, para fazê-la é necessário estar com a saúde em dia e ter idade suficiente para que o crescimento facial esteja finalizado.

A preparação começa com os exames indicados para qualquer procedimento cirúrgico, como exames de sangue, avaliação cardiológica, dosagem de sódio, potássio, ureia e creatinina e coagulograma. O médico também pode pedir algum exame de imagem, como a tomografia computadorizada, que ajuda a verificar melhor a estrutura nasal. Quando a rinoplastia está associada a uma cirurgia funcional, outros exames podem ser pedidos, como raio-X e nasofibroscopia.

 

A preparação começa com a realização dos exames e avaliação do estado geral de saúde do paciente e fatores de risco.

Depois, o médico irá examinar e medir o rosto da pessoa e verificar a opção de cirurgia que melhor se adequa à necessidade.

Os fumantes devem parar de fumar bastante tempo antes da cirurgia. Quem toma remédios regularmente, deve checar com o médico se é necessário parar ou mudar de medicamentos. Alguns que geralmente os médicos pedem para parar são aspirina, anti-inflamatórios e medicamentos naturais, que podem aumentar o sangramento.

No dia da cirurgia, saiba o tempo de jejum indicado, qual será o tipo de anestesia e demais orientações do médico.

 

Todo procedimento cirúrgico tem oferece riscos. No caso da rinoplastia, alguns são: ruptura de vasos nasais, assimetria, cicatrizes, sangramento e hematoma, infecções, anestesia, má-cicatrização, dormência ou sensibilidade na pele, inchaço, despigmentação, alterações na via aérea nasal (o que dificulta a passagem de ar), dor, complicações cardíacas e pulmonares, perfuração do septo nasal, surgimento de suturas na pele, possibilidade de novo procedimento, entre outros.

 

Anestesia – A sedação pode ser intravenosa ou anestesia geral, de acordo com o que o médico avaliar ser melhor para cada pessoa.

Incisão – As incisões podem ser por meio da columela, faixa entre as narinas (procedimento aberto) ou no interior do nariz (procedimento fechado).
No procedimento aberto, os tecidos que revestem o nariz são levantados. Este tipo é utilizado quando é necessário fazer grandes alterações na ponta do nariz. Já o procedimento fechado é mais difícil de se fazer porque, como pele e tecido não são levantados, o cirurgião trabalha sem ver exatamente onde está mexendo, o que demanda bastante experiência e conhecimento. Este procedimento deixa o nariz com a aparência um pouco mais natural, a recuperação é mais rápida e não fica cicatriz aparente, apesar de no procedimento aberto ficar bem discreta.

Remodelação – De acordo com o objetivo, o cirurgião irá remodelar a estrutura do nariz. Se a cirurgia for realizada para corrigir desvio de septo (rinosseptoplastia) será por feito um ajuste na estrutura e alinhamento nasais. Se for para retirada de carne esponjosa (turbinectomia) são retiradas partes dos cornetos nasais.

Fechamento – Se o procedimento usado foi o aberto, depois da intervenção, tecido e pele são acomodados e as incisões, fechadas.

Resultados – O nariz ficará inchado durante algumas semanas, mas em um mês já é possível ver boa parte do resultado final. De seis meses a um ano, o novo formato estará completo. Se o resultado não for o esperado, é possível fazer outra rinoplastia para correção.

Geralmente, a cirurgia demora duas horas e o paciente é liberado no mesmo dia.

 

Curativo e uma espécie de gesso irão proteger a área afetada durante a cicatrização, assim como dar suporte para a nova estrutura nasal. É importante seguir as recomendações médicas, como cuidar da ferida e tomar os medicamentos indicados para reduzir a probabilidade de infecção e dor.

Em caso de falta de ar, dor no peito, batimentos cardíacos fora do comum, o paciente deve procurar o médico imediatamente.

 

O procedimento deve ser realizado em local seguro e confortável para o médico e o paciente, em centro cirúrgico autorizado pela Vigilância Sanitária, com equipamentos e equipe treinada. O paciente deve escolher um médico de confiança e estar acompanhado no dia da cirurgia.

O paciente deve procurar saber quem é o cirurgião, quanto tempo de experiência ele tem, como foi o treinamento dele e o que ele mesmo (paciente) pode fazer para ajudar, para que o procedimento e a recuperação sejam bons.

A pessoa também tem o direito e a obrigação de perguntar qual técnica será usada e se ela está mesmo apta a passar por uma cirurgia, como será a recuperação, riscos, tratamento de possíveis complicações e como ficará o nariz.

Para ajudar – glossário:

 

  • Cartilagem: tecido conjuntivo que constitui a estrutura do nariz;
  • Columela: a estreita faixa de tecido que separa as narinas;
  • Septo desviado: a cartilagem que separa as narinas está desalinhada e pode causar a obstrução parcial das vias aéreas nasais;
  • Anestesia geral: drogas e/ou gases utilizados durante a cirurgia para aliviar a dor e diminuir a consciência;
  • Hematoma: acúmulo de sangue abaixo da pele;
  • Sedação intravenosa: Sedativos administrados por injeção na veia para ajudar a relaxar;
  • Anestesia local: droga injetada diretamente no local de uma incisão durante a cirurgia para aliviar a dor.